Como Utilizar

Maneiras de utilização

As cartas Falas Sistêmicas surgiram para um trabalho de auto cura, onde cada pessoa, individualmente, pode olhar sozinha para suas tristezas, dores, questões, uma a uma, conforme sua intenção e decisão.

Aos poucos outras maneiras de uso foram sendo incorporadas pelos primeiros consteladores que as receberam. E logo elas já foram sendo utilizada como ferramenta de apoio ao terapeuta constelador durante sessões de atendimento individual (seja com ou sem bonecos/cristais/âncoras...), nas constelações em grupo, e nas dinâmicas dos grupos de estudos com exercícios sistêmicos. Em outubro de 2017 um grande grupo da linha de Constelação Estrutural também passou a utilizar as cartas como apoio nas mais diversas dinâmicas dessa linha de constelação. Em dezembro de 2017 outros terapeutas (da linha renascimento/tantra...) também passaram a utilizá-las em seus atendimentos e até mesmo nas meditações dos grupos de Yoga (como apoio na cura de processos de liberação). Desta forma, iremos comentar algumas destas maneiras, pois a cada momento surgem novos formatos para trabalharmos com as cartas Falas Sistêmicas, e cada pessoa que se dispõe a utilizá-las irá sentir novas maneiras, e perceber a qual ou quais que se sente melhor.

Se for possível, a medida que você passar a utilizá-las, ficaremos imensamente gratos e felizes com seu feedback sobre os formatos de utilização e como tem sido. Desta forma, também podemos aprender juntos e ir para o mais, juntos.

Antes de começar, se conecte e se centre ;-)

Antes de trabalhar com as cartas eu indico dois passos/procedimentos.

O primeiro passo é que você possa se conectar com suas cartas (antes de enviá-las até você, já foi feito um processo de limpeza e liberação para elas chegarem até você transmutadas do "antes"), agora um processo de "recepção" a elas e a tudo que vocês farão juntos seria muito bem vindo ;-)

O segundo passo é que você antes de cada leitura, ou pelo menos neste início de jornada, faça algum procedimento de centramento no Vazio Criador, de conexão com o Cosmos, com o Divino. Para alguns basta uma meditação, para outros algum exercício mais dirigido.

1) Conectando-se com suas cartas:

Antes de começar qualquer procedimento com suas cartas Falas Sistêmicas, fortemente indico que faça algum processo de conexão com elas, pode ser algo que você já use, ou adaptando a sua maneira da sugestão a seguir, ou apenas seguindo-o integralmente:

 

Segure suas cartas nas mãos, inicialmente mantenha-as na mão direita (como a mão que “dá”), segurando-as e sentido como é segurá-las, apresenta-se a elas, “Olá queridas e amadas Falas Sistêmicas! Meu nome é .......... Venho me apresentar. Quero trabalhar com vocês servindo à vida. Eu as recebo com amor e gratidão.”

Poderá ir falando com cada carta e colocando-a na sequência na mão esquerda (como a mão que “recebe”). Se você tiver algum guia espiritual, peça por seu apadrinhamento a este trabalho com as cartas.

 

2) Centrando-se no Vazio Criador antes de usar as cartas:

Antes de começar a usar suas Falas Sistêmicas, fortemente indico que você esteja bem centrado e conectado ao Vazio Criador (a Algo Maior, sem Intenção).

Trago a seguir uma meditação de Brigitte Champetier de Ribes como sugestão para se fazer esta conexão, você pode segui-la ou adaptá-la como sentir melhor, ou ainda fazer o que já usa para esta conexão, porém é importante antes de todas as vezes que for usar as cartas, estar bem conectado e sem nenhuma intenção, elas são uma ferramenta de conexão com o Campo, e estarão lhe auxiliando no dia a dia, e devem ser assim cuidadas e usadas com bom senso.

 

Antes de começar, colocar a intenção, por exemplo falando para você mesmo "agora irei me centrar, me conectar ao Vazio Criador, para trabalhar com as Falas Sistêmicas."

Se preparar, sentar-se com os pés firmes no chão (não cruzados). Fazer uma respiração profunda, e seguir respirando a partir da barriga. [ficar um tempo nessa respiração]. Graça a esta respiração se chega ao presente. Seguir respirando devagar, profundamente, desde a barriga. [ficar mais um tempo nessa atenção à respiração]. Pode começar a sentir que algo se acalma. Que se expande, se torna mais leve. E agora se abre a Algo Maior. Agradece as imagens que vem para você, e se abre para além delas. [toma um tempo nessa abertura, assentamento a essas imagens que possam vir]. Se abre para o Vazio, se abre para o silêncio. Se abre para o Vazio Criador. Se abre para o Vazio que é intenção, para mais Amor. Se abre para o Vazio Criador de mais Amor. E agora olha para dentro, para dentro de seu corpo. Seu corpo é feito de energia, é energia. Está habitado pelo Vazio Criador. Se abre ao Vazio Criador que vive em você mesmo. Fale: “Pertenço ao Grande Vazio Criador, e sou Co-Criador(a) com ele. E me abro para o Vazio Criador para cada um daqueles que me rodeiam. Tudo está bem. Tudo é Vazio Criador.”

 

Agora 100% conectado ao Vazio Criador, poderá começar com o uso de suas cartas Falas Sistêmicas. Esse centramento vale para todas as vezes que for utilizar as cartas, e poderá ser utilizado para se centrar para realizar qualquer trabalho terapêutico, principalmente as constelações.

 

REFERÊNCIAS: áudio de meditação original de Brigitte Champetier de Ribes, adaptado da Meditação El Vacío Creador – Brasil Julio 2017 by plataforma Ivox, acessado em 19/9/2017.

Processos de auto cura (trabalhando com você mesmo)

Você pode escolher uma tristeza*, ou uma dor, ou uma questão que está lhe incomodando no momento..., ou ainda, mais diretamente uma pessoa que você tenha alguma reivindicação (mágoa, ou qualquer sentimento que você não quer mais manter com você).

 

OBS.: quando olhamos para algo, a energia do campo será a da questão. Por exemplo, se olharmos para uma tristeza, ela costuma ser relacionada a algo do passado, e é essa a energia que as cartas mostram, “naquela” situação específica. Assim como durante uma constelação podemos “dividir” em vários representantes uma mesma pessoa conforme momentos de sua vida/situações... Ao olhar para uma situação específica as frases serão desta situação específica.

  1. Concentre-se em seu centro vazio, livre de qualquer intenção, apenas trazendo à atenção de que você quer olhar para a determinada questão.

  2. Veja qual pessoa (ou pessoas) estão envolvidas na sua mágoa/tristeza/questão... Se for mais de uma, talvez seja interessante e mais prático usar um boneco para cada pessoa, ou um vidro de esmaltes**, ou um cristal/pedra, ou qualquer objeto que você tenha a disposição (vale também, apenas um pedacinho de papel com o nome da pessoa), esses elementos só tem a função de você saber quem é quem, para ficar mais prático e distinguir todos que estão envolvidos na sua questão, na hora de retirar as cartas para cada pessoa.

  3. Vá embaralhando as cartas até sentir vontade de parar e tire uma carta para você e a coloque virada (sem ler o conteúdo, de cabeça para baixo) na mesa, e volte a embaralhar e tire outra carta para a pessoa envolvida na questão, também deixando-a virada. Se houver mais pessoas, aguarde, tire para a pessoa que sente maior envolvimento (ou que você sentir vontade de olhar primeiro).

  4. Coloque sua mão não dominante (a mão que você não escreve ou que usa menos) sobre a sua carta (ainda virada, sem ler o conteúdo), e deixe-se ali por um instante, sinta. Sinta em seu corpo, o que modifica, o que em para você. E então vire a frase. Esta será a fala de cura para você dizer a pessoa dessa primeira interação. Quando você vira a carta, e lê a frase, o que você sente? O que sente em seu corpo? Observe. Faz algum sentido?  Veja se consegue visualizar a pessoa na sua frente e fale para ela a frase. Veja como se sente. Tome um momento para observar seu corpo, suas sensações e emoções. E permita-se deixa-las fluir.

  5. Agora coloque sua mão sobre a carta da outra pessoa. Novamente, sem virá-la sinta em você, em seu corpo. Fique ali também por alguns instantes. E então vire a carta. Esta será a frase que a pessoa diz para você. O que você sente? Consegue visualizar a pessoa dizendo para você? Como você se sente depois dela “dizer” a frase para você? Tome um momento para observar seu corpo, suas sensações e emoções. E permita-se deixa-las fluir.

 

Se tiver outras pessoas envolvidas, agora faça o mesmo procedimento para a próxima pessoa da sua lista. Tirando uma carta para você e outra para ela...

* A dinâmica de olharmos sozinhos para uma tristeza veio da professora de constelação Claudia Vassão durante treinamento em 2016, que forneceu 16 frases de cura para um auto exercício, e da profundidade de cura sentida na dinâmica, que veio a ideia de aumentar as frases e transformar em um conjunto de cartas.

** A ideia de usar esmaltes vem da Simone Arrojo que costuma comentar nos seus programas na rádio Mundial, que o que vale é a intenção, não importa qual objeto usemos para a diferenciação de quem estamos olhando.

Como utilizar - Utilizando com outras pessoas

No trabalho com outras pessoas, é essencial que você já trabalhe como facilitador em constelação, pois as cartas não substituirão o trabalho do atendimento com a técnica/conhecimento que você já atende outras pessoas, as cartas nasceram com propósito de auto trabalho, e podem ser utilizadas como uma ferramenta auxiliar ao trabalho que você já faz, como acontece com a utilização de bonecos, de âncoras de solo, de cristais, etc. mas, não substituem o seu prévio conhecimento e experiência no atendimento de outras pessoas e na facilitação de uma constelação (seja em grupo ou individual). Essas ferramentas extras apenas devem servir de apoio a entrega total a condução do campo. 

a) Sessão Individual:

podemos utilizá-las durante uma sessão individual, quando sentirmos vontade de deixar o campo trazer uma frase, [as vezes pode-se estar muito conectada (o) à história do cliente, e a carta pode ser a atuação do campo sem esta interferência], seja se já começamos a configuração da representação por bonecos, já os colocando na mesa, ou não. E pode-se  embaralhar as cartas e oferecer para a pessoa escolher uma (ou você tira do deck, não importa). E deixa o cliente sentir como é esta frase, como ele se sente com ela... Como quando se oferece uma frase que o campo nos traz, sentimos, do mesmo jeito, sem forçar. E segue-se como você já faz a sua sessão.

Se sentir vontade pode-se tirar mais cartas. Porém, a minha percepção é que ao ficar tirando várias cartas, a força da primeira que saiu diminui. Como numa constelação, quando ficamos frase daqui, "resposta" de lá, onde perde-se a conexão com a força de atuação no campo, e no nosso corpo da primeira frase que veio, normalmente a essencial.

b) Grupos de Constelação:

assim como na sessão individual, neste caso também o facilitador em constelação já deve ter expertise na condução do grupo, e de facilitar uma constelação. As cartas não darão essas habilidades. Logo, a sugestão é proceder como já o faz em seus grupos, e durante a constelação, se sentir vontade embaralhar as cartas e sentir aquela carta que se destaque e oferecer esta ao cliente, ou ao representante do cliente (ou a outro que você, como facilitador perceba pela observação do campo).

c) Grupos de Estudos/Exercícios:

nos grupos de estudos, durante algum exercício também pode-se oferecer uma frase de cura pela carta que se destacar durante o embaralhar do conjunto.

Um exercício que gosto de fazer é o de colocar 2 pessoas de frete uma para a outra, onde cada uma representa aquilo que é desafiador para a outra pessoa, seja liberar algo (como uma reivindicação, perda, separação...) / alguém, ou outro tema/questão que se destacou nas constelações realizadas, ou do tema do grupo de estudos.

E embaralhar as cartas e sentir qual se destaca e entregar a uma pessoa da dupla, deixar sentirem neles como é, se conseguem falar, se faz sentido... E depois tirar para a outra pessoa e deixá-los sentir...

  • Facebook
  • YouTube

2017-2019 © Iriam Damas